Um consumo mais consciente

Entender o que é e a importância do consumo consciente pode ser o primeiro passo para praticá-lo. Por experiência própria, quanto menos se pensa no impacto que geramos no mundo, mais fácil é ignorar o poder que as nossas escolhas tem e, por este motivo, trazer o assunto para a consciência colabora para a ressignificação do mesmo.


Quando falamos de “um consumo mais consciente”, automaticamente pensamos em moda, em roupas, acessórios e etc. Mas nem sempre precisamos começar por aí. A humanidade consome hoje 30% mais recursos naturais do que a capacidade de renovação da Terra. Se os padrões se mantiverem assim, dados estimam que em 50 anos serão necessários dois planetas para atender às necessidades de produção, com relação à água, energia e alimentos. Para mim, a virada de chave não aconteceu do dia para a noite. Foi necessário ler, estudar, refletir, pesquisar e vivenciar o outro lado da moeda para começar a repensar minha forma de consumir. Foi a convivência com o Estúdio Up que me mudou, e não o contrário. Não nascemos prontos, e nunca o estamos 100%: absolutamente tudo é um processo constante de aprendizagem e aprimoramento. Aprendi a me desculpar pelos deslizes, por ainda ter coisas que eu não consigo fazer/mudar. Eu sei que isso não é pra sempre, e é necessário dar tempo ao tempo. Para quem deseja dar o primeiro (ou mais um passo), existe uma série de perguntinhas que podemos fazer antes de consumir algo:

  • O que eu estou consumindo, representa aquilo que eu acredito, os meus valores?

  • Como aquilo que eu estou consumindo impacta na cadeia global nas questões ambientais, sociais e econômicas? Quem está se beneficiando desta compra?

  • Por que eu quero comprar esse produto? Eu preciso/quero mesmo?

  • Tem como comprar este produto de algum produtor local ao invés de uma grande corporação?

  • Eu vou poder reutilizar/reciclar este produto de outras formas depois? Eu vou usá-lo bastante?

Pode ser que no início pareça grande, difícil e trabalhoso fazer todos estes questionamentos antes de comprar o que quer que seja, ao invés de fazê-lo impulsivamente. À curto prazo, mudança sempre traz um desconforto e a inércia sempre parece mais aconchegante. Já a longo prazo, a sensação de estar de acordo com os seus valores e aquilo que você acredita pode ser fator fundamental para outras mudanças em sua vida.


Para mim, o sentimento hoje é de movimento: eu sei que já evolui com relação à como eu pensava há alguns anos, mas também sei que existe um longo caminho para percorrer. Para me conhecer, para me agradar, para me conectar. Cada vez mais. E você, qual o primeiro passo que deu/quer dar em direção à uma vida mais sustentável?


Beijos, Camilla <3


13 visualizações

Quer receber nosso conteúdo?

0